BEM VINDO À

ARGENTINA

Puente de la Mujer - Buenos Aires, Argentina

Argentina, oficialmente República Argentina, é o segundo maior país da América do Sul em território e o terceiro em população, constituída como uma federação de 23 províncias e uma cidade autônoma, Buenos Aires. É o oitavo maior país do mundo em área territorial e o maior entre as nações de língua espanhola, embora México, Colômbia e Espanha, que possuem menor território, sejam mais populosos. Buenos Aires  é a capital mais europeia e sofisticada da América Latina e um dos destinos preferidos dos brasileiros. As estações bem definidas (verão bem quente, inverno de congelar) fazem da Argentina um país que pode ser definido como “oito ou oitenta”. Além de estar aqui pertinho, os atrativos como o tango, a riqueza da gastronomia, os cafés aconchegantes, seus vinhos de fama internacional, a beleza da arquitetura, seus parques arborizados onde os portenõs lotam nos fins de semana, são alguns dos motivos para os brasileiros viajarem sempre para lá.

banner-buenos-aires-argentina2

Buenos Aires tem em sua arquitetura inúmeros exemplos de edifícios e bairros de influência europeia, como La Boca, com as suas casas de madeira coloridas antigamente habitadas por emigrantes italianos, San Telmo, conhecido pelas casas de tango e sua famosa feira aos domingos e  Palermo,  com belos parques arborizados. O bairro Recoleta, área nobre da cidade com sua feira livre na Plaza Francia. O Shopping Galerías Pacifico na disputada Calle Florida, a famosa Plaza de Maio, a Casa Rosada, sede do governo argentino. Alguns museus são dedicados a grandes ícones argentinos, como Carlos Gardel e Evita Perón. Diferentes desses, outros museus tais como o “Museo de Arte Latinoamericano (Malba) e o Museo Nacional de Bellas Artes” contam com obras inestimáveis de todos os cantos do que chamamos de “Terra”. O Teatro Cólon, criado em 1908, que já recebeu artistas do porte de Richard Strauss, Igor Stravinsky e Luciano Pavarotti também são imperdíveis. Puerto Madero, zona portuária totalmente revitalizada com seus bares e restaurantes charmosos que mudou a cara da cidade, passando a ser um local muito procurado pelos turistas do mundo inteiro.

Bariloche, que está próxima do lago Nahuel Huapi, tem mais do que o planejamento necessário para receber turistas durante todos os 12 meses, sobretudo brasileiros que, na temporada de inverno, chega a ultrapassar facilmente a marca de 60.000. Em Bariloche e Las Leñas, existem diversas atividades que podem ser realizadas. Desde o esqui, na época de frio (inverno) até passeios a cavalo no verão. Nos meses mais quentes da primavera e do verão pode-se fazer trekkings por bosques de “arrayanes”, curiosas árvores que chegam a ter mais de 15 metros de altura, raftings pelas águas esverdeadas do rio Manso ou até kitesurfing no lago Nahuel Huapi. No inverno, existem alguns destinos que você simplesmente não pode deixar de visitar. Cerros Catedral, Cerro Chico e o Cerro Campanário, que te proporciona uma visão deslumbrante de 360º da cidade. Dispõe de  uma gastronomia bastante apreciada  com carnes de diferentes cortes e procedências, como as de cervo e coelho, pratos preparados com ingredientes trazidos de águas patagônicas, como trutas e salmões, foundes com sotaque suíço e uma infinidade de tortas e chocolates além das cervejarias famosas e seus vinhos respeitáveis com preços acessíveis. Quem vai a Bariloche não deve deixar de ir a Villa La Angostura, que mais parece uma Suiça, onde contem vários restaurantes e lojas charmosas de artesanatos. O Cerra Bayo também é uma ótima opção para quem viaja com crianças.

Mendoza, um dos maiores centros vinicultores do continente, foi destruída por terremotos avassaladores mas conseguiu transformar em um importante centro vinicultor e turístico do país. O Aconcágua, o pico mais alto do planeta fora da Ásia, é a plataforma perfeita para explorar mas depende da época que estiver por lá. No vilarejo de Puente del Inca, famoso pela formação rochosa em forma de ponte criada pela força da águas do rio Las Cuevas, ainda é muito visitada pelas ruinas de um luxuoso hotel de águas termal devastado pelas enchentes. A coloração amarelada decorre das fontes de água sulfurosa que minam no local chegando a mais de 38 graus. No inverno, a região  é invadida pela neve e as estações de esqui lotam de turistas. Na cidade, há cerca de 450 restaurantes que atraem os turistas pela excelente gastronomia. Com um clima seco e a qualidade do solo árido, aliados a técnicas inovadoras de plantação, transformou  Mendoza numa poderosa força econômica com as suas famosas vinícolas. Suas castas de uvas são Malbec, Cabernet Sauvignon, Tempranillo e Chardonnay. Com charmosos passeios e mais de 1.200 adegas, podendo aproveitar desde as etapas de produção até as de degustação, almoços ao ar livre, o difícil é escolher qual vinho levar para casa!

El Calafate é de longe um dos locais que os turistas demonstram uma preferência acima do normal. Entre dezembro e março, a dificuldade de se achar um hotel é extrema, pois estão lotados. A cidade tem localização próxima ao Lago Argentino. Seu padrão é o mesmo de outras cidades patagônicas: ruas bem conservadas, construções de madeira e custo de vida elevado.

Salta, que também é conhecida como “a linda” se encontra a mais de 1000m de altura e mantém um ar colonial nas construções residenciais e vias estreitas da capital da província, que também possui a mesma nomenclatura. Uma fusão homogênea de cidade grande com muita tradição e cultura, estas anteriores à chegada do povo inca.

No Vale de Lerma, o turismo de Salta atrai povos de todos os cantos do planeta. Ele nos leva para os trechos mais “escondidos” e que são menos divulgados no país: o extremo noroeste da Argentina e suas divinas montanhas. O ponto turístico mais visitado da cidade é o “Cerro San Bernardo”. Para ter uma visão panorâmica de cair o queixo da cidade, o acesso é facilitado por um teleférico que sai do Parque San Martín.

Para nós brasileiros, a Argentina tem tudo aquilo que cai ao nosso bom gosto.

 

 Este programa lhe interessou? Fale com a Pier!

 
VOLTAR
CADASTUR - 11.000124.10.0001-16
ABAV - 0457
SNEA - 7817